sexta-feira, 22 de março de 2013

Feliz quem não exige da vida...

Feliz quem não exige da vida mais do que ela espontaneamente lhe dá, guiando-se pelo instinto
dos gatos, que buscam o sol quando há sol,
e quando não há sol o calor, onde quer que esteja.
Feliz quem abdica da sua personalidade pela
imaginação, e se deleita na contemplação das vidas
alheias, vivendo, não todas as impressões, mas o espetáculo externo de todas as impressões.
Feliz, por fim, esse que abdica de tudo, e a quem,
porque abdicou de tudo, nada pode ser tirado nem diminuído.

Do Livro do Desassossego
 Bernardo Soares.

3 comentários:

  1. Carpe Diem ... que lugar encantador, bjos

    ResponderExcluir
  2. Nada pode ser tirado nem diminuído, diria, "nada devia ser tirado ou diminuído"
    Desejo-lhe uma santa Pascoa

    ag

    ResponderExcluir
  3. O sonho seja talvez a maior expressão de vida manifestado pelo ser humano... Lindo texto amiga, amei!!!

    ResponderExcluir